Blog

Hoje o Banco Central Norte Americano – Federal Reserve (FED) – deu início a uma fase ainda mais severa do atual ciclo de aperto monetário nos Estados Unidos, com uma elevação de 0,5 ponto percentual na taxa de juros, um ritmo não adotado desde os anos 2000.

Muitos analistas e investidores criticaram – e ainda criticam – o FED pela demora em subir a taxa de juros, uma vez que a inflação acumulada dos últimos 12 meses ultrapassa a casa dos 8,5 pontos percentuais, muito acima da meta definida pelo FED de 2% ao ano. Mas existe um motivo para isso.

As instituições financeiras de um país mantêm em seu balanço tanto títulos privados quanto títulos públicos atrelados a taxas pré-fixadas e  pós-fixadas. Quando o juro básico da economia sobe, o preço dos títulos pré-fixados caem, impactando o balanço dos bancos e criando uma restrição de liquidez.

Para facilitar a compreensão, imagine que você tenha uma Letra do Tesouro Nacional (LTN) remunerando 10% ao ano, com preço unitário de R$ 909,09 e prazo de 1 ano. Se a taxa SELIC sobe para 12% ao ano, o preço unitário de uma LTN com mesmo prazo de vencimento cai para R$ 892,85. O que resultaria em um impacto negativo em sua carteira, mesmo que no curto prazo. E da mesma forma que impacta os investidores individuais, impacta também as Instituições Financeiras.

Então para evitar esse cenário, o FED pode utilizar um instrumento chamado “Overnight Reverse Repurchase Agreements”, que nada mais é do que a venda de títulos do tesouro norte americano no mercado interbancário com duração de 1 dia. Esse instrumento de política monetária também é conhecido como “Operações compromissadas”.

O gráfico abaixo te ajudará a entender essas operações:

O Gráfico demonstra que o FED vinha realizando a troca de títulos pré-fixados por pós-fixados antes de realizar um aperto monetário – cenário conhecido como hawkish – justamente para evitar uma implosão nos balanços dos bancos. Portanto, não houve atraso no aperto monetário, e sim estratégia bem desenhada.

A taxa de juros definida hoje pelo Comitê de Política Monetária dos Estados Unidos (FOMC) encontra-se no intervalo de 0,75% e 1,0%. A votação foi unânime, com todos os 10 votos a favor da elevação da meta de juros em 0,5 pontos percentual. O Comitê antecipou ainda que novos aumentos na taxa devem ser realizados em breve.

O Banco Central Americano também anunciou que começará o processo de redução do seu amplo balanço de ativos no dia 1° de junho. O limite inicial para a redução do balanço será de US$ 30 bilhões em títulos do Tesouro americano (Treasuries) e US$ 17,5 bilhões em títulos hipotecários por mês, e estes limites serão ampliados ao longo de três meses para os valores finais de US$ 60 bilhões mensais em Treasuries e US$ 35,5 bilhões em títulos hipotecários, num total de US$ 95,5 bilhões mensais.

As políticas monetárias contracionistas adotadas pelo FED acena também para a pressão que o mercado de trabalho está exercendo sobre os preços, uma vez que a taxa de desemprego caiu significativamente, atingindo 3,6% em março de 2022, nível mais baixo na pandemia.

Confira a integra da decisão do FOMC:

“Although overall economic activity edged down in the first quarter, household spending and business fixed investment remained strong. Job gains have been robust in recent months, and the unemployment rate has declined substantially. Inflation remains elevated, reflecting supply and demand imbalances related to the pandemic, higher energy prices, and broader price pressures.

The invasion of Ukraine by Russia is causing tremendous human and economic hardship. The implications for the U.S. economy are highly uncertain. The invasion and related events are creating additional upward pressure on inflation and are likely to weigh on economic activity. In addition, COVID-related lockdowns in China are likely to exacerbate supply chain disruptions. The Committee is highly attentive to inflation risks.

The Committee seeks to achieve maximum employment and inflation at the rate of 2 percent over the longer run. With appropriate firming in the stance of monetary policy, the Committee expects inflation to return to its 2 percent objective and the labor market to remain strong. In support of these goals, the Committee decided to raise the target range for the federal funds rate to 3/4 to 1 percent and anticipates that ongoing increases in the target range will be appropriate. In addition, the Committee decided to begin reducing its holdings of Treasury securities and agency debt and agency mortgage-backed securities on June 1, as described in the Plans for Reducing the Size of the Federal Reserve’s Balance Sheet that were issued in conjunction with this statement.

In assessing the appropriate stance of monetary policy, the Committee will continue to monitor the implications of incoming information for the economic outlook. The Committee would be prepared to adjust the stance of monetary policy as appropriate if risks emerge that could impede the attainment of the Committee’s goals. The Committee’s assessments will take into account a wide range of information, including readings on public health, labor market conditions, inflation pressures and inflation expectations, and financial and international developments.

Voting for the monetary policy action were Jerome H. Powell, Chair; John C. Williams, Vice Chair; Michelle W. Bowman; Lael Brainard; James Bullard; Esther L. George; Patrick Harker; Loretta J. Mester; and Christopher J. Waller. Patrick Harker voted as an alternate member at this meeting.”

Tradução:

“Embora a atividade econômica geral tenha diminuído no primeiro trimestre, os gastos das famílias e o investimento fixo das empresas permaneceram fortes. Os ganhos de emprego foram robustos nos últimos meses e a taxa de desemprego diminuiu substancialmente. A inflação permanece elevada, refletindo desequilíbrios de oferta e demanda relacionados à pandemia, preços mais altos de energia e pressões mais amplas sobre os preços.

A invasão da Ucrânia pela Rússia está causando enormes dificuldades humanas e econômicas. As implicações para a economia dos EUA são altamente incertas. A invasão e os eventos relacionados estão criando uma pressão ascendente adicional sobre a inflação e provavelmente pesarão sobre a atividade econômica. Além disso, os bloqueios relacionados ao COVID na China provavelmente exacerbarão as interrupções na cadeia de suprimentos. O Comitê está altamente atento aos riscos inflacionários.

O Comitê busca alcançar o máximo de emprego e inflação à taxa de 2% no longo prazo. Com o adequado fortalecimento da política monetária, o Comitê espera que a inflação volte ao seu objetivo de 2% e o mercado de trabalho continue forte. Em apoio a essas metas, o Comitê decidiu aumentar a faixa-alvo para a taxa dos fundos federais para 3/4 a 1% e prevê que os aumentos contínuos na faixa-alvo serão apropriados. Além disso, o Comitê decidiu começar a reduzir suas participações em títulos do Tesouro e dívida de agências e títulos lastreados em hipotecas de agências em 1º de junho, conforme descrito nos Planos para Redução do Tamanho do Balanço do Federal Reserve que foram emitidos em conjunto com esta declaração .

Ao avaliar a postura adequada da política monetária, o Comitê continuará monitorando as implicações das informações recebidas para as perspectivas econômicas. O Comitê estaria preparado para ajustar a postura da política monetária conforme apropriado se surgirem riscos que possam impedir o alcance das metas do Comitê. As avaliações do Comitê levarão em conta uma ampla gama de informações, incluindo leituras sobre saúde pública, condições do mercado de trabalho, pressões inflacionárias e expectativas de inflação e desenvolvimentos financeiros e internacionais.

Votaram pela ação de política monetária Jerome H. Powell, presidente; John C. Williams, vice-presidente; Michelle W. Bowman; Lael Brainard; James Bullard; Esther L. George; Patrick Harker; Loretta J. Mester; e Christopher J. Waller. Patrick Harker votou como membro suplente nesta reunião.”

Will foto 2

Willian Capriata

Mestre em economia e Graduado em Economia pela UFMT; certificado em CPA10, CPA20 e CEA; Investidor Qualificado; Membro do grupo de pesquisa Núcleo de Estudos em Economia e Inovação (CNPQ); possui artigo científico publicado em revista de reconhecimento internacional: Brazilian Journal of Political Economy na área de Macroeconomia. Dedica-se a ajudar pessoas a conquistarem uma vaga no Mercado Financeiro e de Capitais.